terça-feira, 12 de dezembro de 2017

SITUANDO O APOCALIPSE – O final do 1º século cristão

O livro de Apocalipse que lemos na Bíblia é um livro sui generis no conjunto dos nossos livros sagrados.  Sabemos que o autor estava exilado na Ilha de Patmos (cf. Ap 1:9), uma pequena elevação grega no Mar Egeu para onde, na época, os romanos degredavam seus criminosos e opositores.
Mas não foi somente isso que influenciou na produção da obra.  Então, para ajudar a entender melhor o contexto onde o livro surgiu, veja a seguir em linhas rápidas algumas observações sobre o mundo de então:
* A Grande Pirâmide de Gizé já tinha 2.500 anos.  Em Roma, o Coliseu ainda não tinha sido construído.  Os geógrafos da época sabiam que a Índia era no Extremo Oriente, a Etiópia era no extremo sul, a Ibéria para o oeste, e "Scythia" e "Celtica" para o norte.  A Grã-Bretanha já era conhecida, e os estudiosos mediterrânicos tinham uma ideia de que a Escandinávia existia, mas não a sua extensão (este eu copiei de www.fatosdesconhecidos.com.br).
* Desde o século anterior, florescia no Oriente o que ficou conhecido como "estilo apocalíptico" de escrever.  Ele consistia basicamente no uso excessivo – quase abusivo – de mensagens cifradas e figuras (algumas certamente beirando ao surrealismo!), também o recurso de códigos principalmente numéricos para descrever realidades não quantificadas.  Além de narrar o futuro mesclando um ponto de partida histórico com um visionário.
* No final do primeiro século da era cristã, a igreja já havia se expandido a todo o Império Romano e já alcançava diversas regiões além das fronteiras romanas.  Comunidades cristãs organizadas se reuniam em boa parte do mundo conhecido de então.  Com a expansão cristã em um período tão curto e abrangendo áreas tão diversas seria natural que pensamentos e doutrinas estanhas à verdade original da fé começassem a se infiltrar na igreja.
* Observe ainda, na mesma linha, que a expansão do cristianismo colocou a nova igreja em contato com grupos religiosos diversos, gerando uma espécie de concorrência pela primazia da verdade e da fé do povo.  Esta situação, em diversos casos, provocou um endurecimento da postura polêmica da fé cristã em detrimento de sua mensagem de amor e esperança.
* Também com a chegada do final do século, os primeiros discípulos de Jesus já começavam a morrer, silenciando o testemunho primário daqueles que conviveram com o Jesus histórico e que poderiam com autoridade relatar as verdades pregadas pelo Mestre.
* Outro fato marcante para o cristianismo no final do século foi o receio do Império Romano de que este novo grupo – o Caminho como era chamado – desestabilizasse e subvertesse o império, o que provocou o estímulo à perseguição política romana, além da judaica de cunho puramente religioso.
Foi para este contexto que o livro de Apocalipse foi escrito originalmente.  Quando a fé cristã se viu ameaçada em diversas frentes, a Revelação foi dada a João para que este instruísse a igreja e seus líderes – aos anjos das igrejas – sobre como Deus estava no controle da história e que por fim a igreja triunfante transporia todos os obstáculos e mostraria a sua verdadeira face vitoriosa ao lado do Cordeiro – aquele que é o único digno de toda a nossa adoração.

(Na imagem lá em cima, uma foto moderna do Mosteiro de São João, o Teólogo na Ilha de Patmos, construída sobre o local onde se crê que tenha ocorrida a visão de Apocalipse.  O crédito da imagem é do sítio wikipedia.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário